segunda-feira, 24 de novembro de 2008

A "matrix" não está tão distante assim



Em tempo pós-moderno é complexo a nova estrutura da mentalidade humana social, discutir as realidades parece ser um bom começo para destravar alguns enigmas e signos sobre a “realidade mental” e a “realidade concreta” e como isso tudo nos envolve.
No plano existencial as realidades dividem-se em duas: A realidade mental (ou a realidade das possibilidades) e a realidade concreta (ou um pálido reflexo do mental). A realidade concreta é um reflexo de tudo que acontece dentro de nós, ou seja, o que acontece no nosso interior vai refletir tudo que acontece no nosso exterior. Mas a realidade mental, muito estudada na física quântica, pode-se dizer que é a realidade das possibilidades, onde tudo que acontece em nós é transformado nas possíveis reações da nossa vida.
Na nossa realidade (concreta), alguns físicos defendem a teoria que, vivemos o tempo inteiro, presos nessa realidade, e que não sabemos ou não podemos sair para vermos o que realmente existe lá fora. Em síntese, alguns pensadores encaram a realidade concreta, como uma forma ilusória de existir.

Pegando uma carona com Platão, e modificando um pouco sua teoria, podemos comparar as realidades mentais e concretas, com “o mundo das idéias” e “o mundo aparente”, respectivamente. A realidade mental como no mundo das idéias, ambas são produtoras de realidade e mundo aparente, elas são verdadeiramente as receptoras tanto de informações quanto de idéias.

A realidade mental assemelha-se a uma máquina de produzir realidade. Criamos a todo o momento os efeitos de realidade, que só construímos quando acreditamos serem possíveis de existirem. A cada dia nós construímos realidade, a cada manhã nós acordamos já pensando como será a nossa realidade de hoje. A mente não difere a realidade que existe dentro de nós, da realidade que existe fora de nós. Quem difere realmente ou ilusoriamente são nossos olhos que são como lentes das percepções exteriores. Entretanto, na realidade do interior da mente, quem enxerga é córtex visual.

Em suma, sinceramente penso que não existe uma definição completa de mundo concreto, porque se nós formos enfrentarmos como mundo concreto a nossa realidade aparente, vão com certeza depois afirma-nos que se trata de um erro brutal. Pois quando tudo já é concretizado, tudo fica estável, imóvel, e nós somos seres e agentes modificadores, e modificamos tudo ao nosso redor. A realidade que devemos estimular, e que podemos encontrar mais respostas para nossas indagações, está essencialmente ligada a nossa mente.

Um comentário:

Calebe Borges disse...

Posso ser sincero, não sei nem pra que serve a vida!!!
Flow

http://www.canalicara.com/calebeborges